Sistema político brasileiro é um convite à corrupção, diz cientista político português

É um atraso a Câmara dos Deputados ser representada por cerca de 30 partidos, o que não acontece em democracias avançadas, onde predomina o bipartidarismo.

Leia o restante deste artigo

Anúncios

Novo momento político – o pós-eleições

Por Marcio Petrocelli Paixão

É engraçado ver agora gente magoadinha com o que dissemos sobre política nos últimos meses. Eu não estou nem um pouco ofendido com nenhuma das barbaridades ditas aqui sobre mim. Para quem está habituado a tomar posições e falar sem medo, sabe muito bem que expõe vários dos seus flancos e entra no risco até de ofensas pesadas. Há anos aprendi a me adestrar a esse respeito.

Leia o restante deste artigo

Só 35 deputados se elegeram com a própria votação

Os demais 478 eleitos no domingo contaram com os votos somados do partido ou coligação para atingir a votação necessária para a eleição de um parlamentar. Só Russomanno elegeu mais quatro deputados. Veja quem se elegeu sozinho.

Leia o restante deste artigo

A inflação legislativa a partir da Constituição Federal de 1988

Pare um minuto e responda às seguintes perguntas: 1) Para solucionar algum problema social, o poder Legislativo deve criar alguma lei? 2) Nestes últimos 25 anos, desde a promulgação da Constituição brasileira de 1988, quantas leis o poder Legislativo criou?

Leia o restante deste artigo

Para Ronaldo Fonseca, partidos é que trazem ameaças à democracia

Deputado diz que a falta de liderança e o mau funcionamento do atual sistema se devem à ditadura dos caciques políticos.

Leia o restante deste artigo

Você sabe para onde vai seu voto? (3)

Neste vídeo trago dois exemplos práticos a respeito do sistema majoritário e do sistema proporcional, explicando como são feitas as contas eleitorais.

Você sabe para onde vai seu voto? (2)

Neste vídeo explico como funciona o sistema proporcional brasileiro, que é aquele que mais faz com que o voto do cidadão “suma”. Assista e descubra que nem sempre seu voto vai para aquele que você quer ver eleito!

A diferença

A diferença entre preso político e político preso
A diferença entre preso político e político preso

Vejam a diferença entre “preso político” e “político preso”, pois não é a mesma coisa – diferentemente do que alguns estão tentando afirmar por aí.

Cachoeira, obediente, emudeceu

Ontem ocorreu o tão esperado depoimento de Carlinhos Cachoeira à “CPI do Cachoeira”. Claro que falar em “depoimento” é apenas jeito de dizer, já que ele ficou calado o tempo todo por se utilizar de seu direito constitucional de não produzir provas contra si mesmo. Este posicionamento irritou os parlamentares da CPI, que esperavam – com ingenuidade, digo eu – que Cachoeira fosse “abrir o bico”.

Leia o restante deste artigo

A frágil lealdade da base

É verdade, mas não toda a verdade, que uma parcela ponderável da chamada base aliada na Câmara dos Deputados dissentiu do Planalto na tramitação do projeto do Código Florestal por descontentamento com a demora da presidente Dilma Rousseff em contemplá-la, a expensas do PT, com os ambicionados cargos do segundo escalão federal ainda a preencher. Do mesmo modo, é verdade, mas não toda a verdade, que o dissenso espelha a sujeição de bom número de deputados a interesses outros que não os do governo ao qual deveriam ser leais – no caso, aos interesses do agronegócio que ajudou a financiar as suas campanhas. Eles formam a infantaria da bancada ruralista, recrutada em praticamente todos os partidos.

A verdade maior é que a base se assenta em solo movediço. Ela é intrinsecamente frágil por ser artificial, um aglomerado unido pelos costumeiros cálculos de conveniência do estamento político, mas de todo destituído de consistência programática, para não dizer ideológica. Daí o paradoxo: um governo que se pauta em linhas gerais por uma ideologia, sem prejuízo das frequentes barretadas ao pragmatismo, depende no Congresso de uma maioria tão relativa quanto a “democracia relativa” de que falava o general-presidente Ernesto Geisel, dourando a pílula, para caracterizar o País sob a ordem autoritária. São raras as votações no Legislativo em que a ideologia é um divisor de águas. Uma questão pode ter ressonância – como o reajuste do salário mínimo -, mas não se decide no marco do que se convenciona chamar “projeto nacional”.

Quando isso se dá – o que inequivocamente é o caso da polêmica sobre a reforma do Código Florestal – o resultado é um realinhamento no tabuleiro parlamentar. Na turbulenta noite de quarta-feira em plenário, nada menos de 88 deputados de legendas que participaram da coalizão eleitoral dilmista e são membros reconhecidos do seu governo de coligação viraram a casaca, dando os seus votos à fronda oposicionista empenhada em votar sem mais delongas o projeto relatado pelo deputado Aldo Rebelo, do PC do B. Contrariaram assim, expressamente, a orientação da liderança do governo para que a proposta fosse retirada da pauta. Isso acabou acontecendo porque a oposição não conseguiu as 257 adesões regimentalmente necessárias para a matéria ir a voto. (Obteve 177.)

Perguntado se o apoio de dois deputados de seu partido à demanda adversária representava uma traição, o petista Cândido Vaccarezza, líder do governo na Casa, sofismou. “Não houve traição”, respondeu, “porque ainda não houve a votação.” Quando houver – por enquanto o projeto foi remetido ao limbo -, é possível que os dois trânsfugas mudem de posição. Mas isso será uma nota de rodapé na história da tramitação do projeto. Calcula-se entre 110 e 140 o total de integrantes da base aliada decididos ou propensos a trair o Planalto. Normalmente, os governos contam com o colégio de líderes da maioria para conduzir as bancadas ao rumo que traçou – o colegiado, de resto, tem sido de há muito um dos principais instrumentos de controle do Congresso pelo Executivo; o que varia são os termos da negociação, caso a caso.

Mesmo assim, o risco é alto para a presidente. Dilma não tem votos para impor o seu modelo de Código Florestal, mediante um consenso que excluiria as emendas indesejáveis da oposição. Em contrapartida tem o poder de adiar o desfecho do confronto, como que tomando emprestado o clássico recurso parlamentar de obstruir votações. Foi o que ocorreu essa semana.

O tempo, de toda sorte, joga a favor do Planalto. No dia 11 de junho expira o decreto do presidente Lula que suspendeu a aplicação de multas e outras sanções a produtores rurais em situação irregular. Se as lideranças do setor não fizerem concessões que permitam a aprovação – de comum acordo e em tempo hábil – do texto do Código reescrito pelo governo, o decreto simplesmente não será prorrogado.

“Estou pedindo um armistício”, apelou Vaccarezza. A exortação seria desnecessária se a presidente Dilma contasse com uma maioria parlamentar docilmente obediente às suas ordens

(Original aqui.)