Cachoeira e as coisas da vida

Como disse o renomado filósofo contemporâneo Wagner Love, quem nunca capotou com o carro?

Tomando-se como ponto de partida essa profunda e dilacerante reflexão existencial, poderíamos replicá-la para outros cenários onde se desenvolve a penosa e enriquecedora experiência humana em busca de uma explicação para o sentido da vida.

Se nos debruçarmos , por exemplo, sobre o desenrolar de uma das mais populares e rumorosas experiências políticas deste começo de século-a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito que investiga o contraventor Carlinhos Cachoeira- podemos estender a indagação filosófica de Wagner Love a outros ramos da atividade humana.

Por exemplo:

Quem nunca mandou um torpedo carinhoso e tranquilizador a um aliado político de peso assegurando-lhe que “você é nosso e nós somos teu”?

Quem nunca emudeceu diante de uma comissão de inquérito exercendo o direito constitucional de não testemunhar contra si próprio, tendo ao lado a montanha de sabedoria jurídica de um ex-ministro da Justiça pronto a comprovar quanto o silêncio pode ser de ouro – ou quanto de ouro pode valer um siêncio?

Quem nunca foi dono de uma empreiteira de obras públicas com contratos em 24 estados da federação e que, depois de dizer que políticos são amaciados com dinheiro e de dançar na boquinha da garrafa com um de seus contratantes, desaparece de cena e entrega de graça sua empresa que fatura 3 bilhões aos donos de um frigorífico que por acaso passavam por perto?

(Como até Wagner Love sabe, há uma grande sinergia entre vender carne de boi e construir estádios e obras públicas em geral).

O fato é que, com ou sem a filosofia Wagner Love, entre equívocos e silêncios, a CPMI caminha para um impasse que pode definir a sua irrelevância absoluta.

Gerada artificialmente por um cálculo político equivocado, ela começou sem um roteiro claro e definido, e não dá mostrar de estar perto de encontrar a sua porta de saída.

Ao partido do governo interessava encalacrar Demóstenes Torres, desafeto de tantos anos, e Marconi Perillo, governador de Goiás.

Sonhou que o turbilhão dos escândalos novos encobriria o impacto dos escândalos velhos, como o do Mensalão.

A oposição entrou de cabeça sonhando envolver os governadores do DF, Agnelo Queiroz, e do Rio, Sérgio Cabral.

Nada deu certo. Os governadores continuam blindados e as ações da construtora Delta, se circunscritas ao Centro-Oeste, não prometem grandes emoções. Ou se vai à Delta nacional ou a CPI morre por inanição antes do tempo.

Se tudo continuar assim, Carlinhos Cachoeira terminará a história do mesmo tamanho que começou, como o único vilão, tendo como consolação não só a teoria Wagner Love, como a de sua namorada, a romântica Andressa: “Afinal, quem está livre se ser preso”?

Assim, montar esquemas para enriquecer com dinheiro público continuarão sendo coisas normais da vida, como capotar o carro ou ser preso.

(Original aqui.)

Anúncios

Deixe seu comentário logo abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s